terça-feira, 2 de junho de 2015

Dinossauros, a Superordem dos répteis

Para saciar uma das maiores curiosidades mundiais, aí vai uma listinha em ordem cronológica dos dinossauros mais famosos. Mas antes de começar nossa viagem ao passado, gostaria de ressaltar que os dinos viveram nesse mundo muitíssimo antes dos humanos. Eles surgiram por volta de 225 milhões de anos atrás e acabaram sendo extintos após uma explosão causada pela queda de um cometa há 65 milhões de anos. Nossa espécie começou a se desenvolver a apenas 4 milhões de anos, sendo assim, nós nunca dividimos o meio ambiente com esses gigantes.

Gostaria de lembrar o perigo de acreditar fielmente no que assistimos nos filmes. Eles não servem como fontes seguras de informações sobre os dinossauros, pois sempre transmitem informações equivocadas a respeito da aparência e do comportamento das espécies dos dinos, isso ocorre devido ao desconhecimento dos produtores e aos exageros televisivos em busca de maior audiência. Para finalizar, alerto que a História é responsável por estudar os acontecimentos humanos, desta maneira não sou habilitada para falar sobre os dinossauros, mas fiz uma boa pesquisa para escrever o texto abaixo. Agora vamos lá?

Acrocantossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram durante o período cretáceo entre 125 e 100 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros com cerca de 12 metros de comprimento e 12.000 Kg que contavam com 68 dentes próprios para o corte de carne. Eram fortes e rápidos porque seus ossos eram ocos. Possuíam uma série de espinhas nas costas com cerca de 30 centímetros cada que eram erguidas como velas de barco que regulavam sua temperatura, assustavam predadores e apoiavam seus músculos.

Alamossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no fim do período cretáceo entre 70 e 66 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram herbívoros com cerca de 21,3 metros de comprimento. Suas caudas eram praticamente a metade de seu corpo e serviam para apoio quando erguiam-se sobre as patas traseiras ou como chicote para espantar os que tentavam dividir a refeição com eles, ou seja, os filhotes e os idosos de seu bando. Acredita-se que, somente no Texas, tenham vivido mais de 350 mil desses dinossauros. Sua aparência era muito semelhante a dos Apatossauros. Seu nome é uma homenagem ao local aonde seus primeiros fósseis foram encontrados, Ojo Alamo no Novo México (Estados Unidos da América).

Albertossauros (Gorgossauros)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram durante o período cretáceo entre 76 e 74 milhões de anos atrás na Ásia e na América do Norte. Podem ser considerados antecessores um pouco menores do Tiranossauro Rex. Caçavam em manadas na posição bípede e não podiam contar muito com a ajuda de seus braços curtos com garras semelhantes as de um pássaro. Atingiam 9 metros de comprimento e 3,4 de altura, pesando cerca de 2.500 kg. Se dividiam em 3 espécies diferentes.

Alossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Jurássico há 150 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros que mediam em torno de 12 metros de comprimento e 4,5 metros de altura, pesando cerca de 3.600 Kg. Suas patas traseiras eram grandes e parecidas com as das aves. Suas quatro patas contavam com garras curvas e afiadas. Apesar de caçarem em grupo,  eram animais de hábitos solitários. Também se alimentavam de animais mortos e foram apelidados de "terror jurássico".

Amargassauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo entre 129 e 122 milhões de anos atrás na América do Sul. Eram herbívoros com cerca de 5.000 Kg, 10 metros de comprimento e 2,7 metros de altura. Sua aparência é muito semelhante a lenda dos dragões devido a uma fileira dupla de vértebras que saía de seu pescoço e descia pelas costas até a metade de sua cauda. Essas vértebras lembravam espinhos e podiam alcançar até 60 centímetros de altura, provavelmente auxiliavam na defesa, regulação de temperatura, a comunicação para acasalamento ou até mesmo para o reconhecimento de sexo e espécie. Seu nome significa "lagarto de La Amarga" em referência ao local em que os fósseis foram encontrados na Argentina, na formação geológico de La Amarga Arroyo.

Amazonssauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo entre 125 e 110 milhões de anos atrás na América do Sul (Amazônia brasileira). Eram herbívoros com cerca de 15.000 Kg, 10 metros de comprimento e 3 metros de altura. Viviam em grupos familiares aonde os adultos ficavam nas extremidades da manada para defender os jovens e idosos que permaneciam no centro. Provavelmente se alimentavam mais de plantas rasteiras do que de folhas do topo das árvores. Seu nome é uma homenagem ao local em que os primeiros fósseis foram encontrados, a região amazônica do Maranhão (Brasil).

Anchiornis
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo entre 160 e 155 milhões de anos atrás na Ásia. Eram bípedes carnívoros que provavelmente se alimentavam dos ovos de outras espécies. Tinham penas pretas com listras brancas nas asas e cristas marrom-avermelhadas em formato moicano. Seu nome significa "quase ave" e acredita-se que tenham sido antecessores das aves que conhecemos atualmente.

Anquilossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Formavam um grupo de dinossauros que surgiram no período Jurássico há 200 milhões de anos na Ásia e viveram até o período Cretáceo há 65 milhões de anos atrás em diversos continentes. Eram herbívoros dóceis de cérebro muito pequeno que não alcançavam mais do que 10 km/hora. Para se proteger de ataques contavam com espinhos e uma armadura óssea resistente presente até nas pálpebras, somente sua barriga era mais frágil, mas ficava protegida próxima ao chão. Atacavam seus predadores com sua poderosa cauda capaz de quebrar costelas que perfurariam os órgãos vitais.

Antarctossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 90 milhões de anos atrás  na América do Sul. Eram herbívoros com cerca de 60.000 Kg, 40 metros de comprimento e 6 metros de altura. Suas cabeças eram menores do que as de um cavalo. Suas mandíbulas eram muito quadradas e seus dentes eram todos iguais, como não tinham  molares o trabalho de triturar as folhas era feito no estômago pelas pedras que engoliam. Seus fósseis foram encontrados em vários países, mas sempre fragmentados, por isso essa espécie ainda depende de maiores descobertas e estudos para melhor verificação de hábitos e aparência. Seu nome significa "lagarto do Sul".

Apatossauros (Brontossauros)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período jurássico entre 154 e 150 milhões de anos atrás na América do Norte. Tinham o corpo grande e maciço, pescoço longo, cabeça pequena e cauda muito comprida. Podia erguer-se sobre as patas traseiras, devido a estas serem maiores, e quando o fazia, sua imensa cauda servia como apoio. Seus dentes eram fracos e por isso engolia as folhas sem mastigá-las, mas nem por isso eles comiam pouco, basicamente engoliam entre 500 e 1000 quilogramas de alimento diariamente. Viviam entre 30 e 60 anos de idade nos grandes grupos em que conviviam, sabe-se que com 20 aninhos já pesavam mais de 20 toneladas.


Australovenators (Banjos)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo na Oceania. Eram carnívoros de 80 Kg com cerca de 3 metros de comprimento que possuíam 3 garras poderosas em cada pata, sendo assim, se pareciam com os famosos Velociraptors.  Leves e ágeis, alcançavam rapidamente as suas vítimas. Seu nome é uma homenagem ao compositor Banjo Patterson.


Bambiraptors
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há 72 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros com cerca de 1,3 metros de comprimento que pesavam em torno de 2 Kg e tinham cérebros do mesmo tamanho das aves de hoje. Eram muito rápidos e caçavam em bandos, o que permitia que atacassem animais muito maiores do que eles. Paleontólogos estudam o Bambiraptor para entender a evolução das espécies entre os dinossauros e as aves atuais. Seu nome é uma homenagem ao personagem Bambi da Disney porque seu fóssil foi descoberto por um menino de apenas 14 anos de idade.


Barionyxs walkeri
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há 125 milhões de anos atrás na Europa. Eram carnívoros de 9 metros de comprimento, 2,7 metros de altura e 2.500 Kg. Possuíam patas dianteiras com garras de até 30 centímetros que, provavelmente, usavam para caçar peixes, da mesma maneira que os ursos fazem ainda  hoje. Seus crânios eram compridos e achatados como os de crocodilos. Alguns exemplares eram maiores até mesmo que os Tiranossauros-Rex. Seu nome é uma homenagem a Bill Walker que descobriu os primeiros fósseis dessa espécie.

Braquiossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período jurássico, há cerca de 144 milhões de anos atrás na África e na América do Norte. Eram herbívoros e passavam a maior parte do tempo comendo as folhas do alto das copas das árvores. Mas apesar de só comerem vegetais, eles eram bem pesados, chegavam a pesar 90 toneladas (o equivalente a 18 elefantes). Eles tinham 26 metros de comprimento e 15,2 metros de altura, viviam cerca de 100 anos de idade. Seu longo pescoço era formado por 14 ossos diferentes. As fêmeas botavam seus ovos em linha reta enquanto andavam, diferente da maioria das espécias que preparavam ninhos cuidadosos. Apesar do peso e do tamanho, os cientistas acreditam que ele podia correr a uma velocidade de 20 quilômetros por hora, o chão devia tremer.

Carnotaurus
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo na América do Sul. Eram carnívoros com cerca de 950 Kg, 8 metros de comprimento e 3 metros de altura. Seus crânios e braços eram muito pequenos, mas o que mais chamava a atenção eram seus chifres sobre os olhos que lhes davam a aparência de um touro. Seu nome significa "touro carnívoro".

Celófises
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no fim do período Triássico há 200 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros bípedes com cerca de 3 metros de comprimento e 45 kg. Há suspeitas de que fosse canibal pelo fato de viverem em grandes manadas. Suas patas dianteiras serviam para recolher alimentos, já as traseiras eram compostas por ossos ocos e eram utilizadas para saltar rapidamente em caso de necessidade. Viviam na beira de rios porque se alimentavam de peixes, mas também comiam insetos, lagartos e dinossauros menores. Eram mestres na emboscada de vítimas.

Chirostenotes
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo na América do Norte. Eram bípedes com cerca de 2 metros de comprimento e um metro de altura, pesavam aproximadamente 20 Kg. Suspeita-se que se alimentavam de ovos de outros dinossauros. Tinham bicos, patas e dedos comprido e finos, além de uma crista na cabeça. É provável que fossem cobertos por penas. Seu nome em latim significa "com mãos estreitas".

Coahuilaceratops magnacuerna
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo há 72 milhões de anos atrás no México. Eram herbívoros com cerca de 5.000 Kg que mediam até 2,1 metros de altura e 7 metros de comprimento. Possuíam 2 chifres em cima dos olhos que usavam para se defender de predadores e para disputar territórios ou fêmeas na época do acasalamento, o mais impressionante é que cada um desses chifres media mais de 1,2 metros de comprimento, são os maiores chifres já encontrados entre todos os dinossauros.

Coelurus
(Ilustração- Fonte desconhecida)
Viveram no período jurássico há aproximadamente 145 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros que pesavam cerca de 20 kg e alcançavam a altura de um homem. Seu nome significa "cauda oca" pelo fato de possuir ossos ocos.Por serem muito leves, eram extremamente rápidos na corrida bípede atrás de presas como lagartos e mamíferos pequenos. Viviam em bandos, o que facilitava a caça e a criação de filhotes. Provavelmente seu crânio cabia na palma de uma mão humana e, talvez, tivessem o corpo coberto por penas.


Compsognatos
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no final do período jurássico por volta de 144 milhões de anos atrás. Foram uns dos menores dinossauros encontrados até hoje. Pesavam cerca de 3kg, o equivalente a um pato, e mediam mais ou menos 74cm. Eram rápidos e andavam sempre em grupos, piando e sibilando atrás de suas presas que geralmente eram lagartos e insetos. Seu nome significa "mandíbula delicada". Durante muito tempo se acreditou que possuíam nadadeiras nas patas dianteiras para auxiliar em sua movimentação, entretanto estudos recentes comprovaram que essa hipótese não poderia ser real.

Deinonychus
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 140 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros poderosos com cerca de 75 Kg, 4 metros de comprimento e e  1,5 metros de altura. Quase sempre são confundidos com os Velociraptors, como no filme Parque dos Dinossauros, no entanto eles eram muito maiores e mais assustadores do que eles. Para termos uma ideia, sua caminhada habitual era de 6 Km/h e corriam há aproximadamente 60 Km/h durante suas caçadas que eram realizadas em bandos atrás de grandes herbívoros. Seu nome significa "garra terrível" por causa de suas garras da pata traseira em formato de foice que mediam até 12,5 centímetros.

Diamantinasauros matildae (Matilda)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo na Oceania. Eram animais herbívoros de corpo semelhante a um hipopótamo. Apoiavam-se sobre pernas fortes e patas volumosas. Seu nome científico é uma referência aos titãs gregos, já o seu nome popular é uma homenagem ao compositor Banjo Patterson que escreveu um poema folclórico chamado "Waltzing Matilda".

Dilofossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram há 208 milhões de anos atrás, no início do período jurássico na América do Norte. Possuíam duas cristas na cabeça em formato de V que ainda causam polêmica quanto a sua utilidade, mas, ao que tudo indica, serviam para atrair as fêmeas para acasalamento. Mesmo sendo grandes e pesando mais ou menos 600 kg, eram muito ágeis e velozes. Suas mandíbulas, no entanto, eram muito fracas e permitiam que se alimentassem somente de animais pequenos. Provavelmente utilizavam as garras para rasgar a carne e facilitar a alimentação.

Dsungaripterus
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo há aproximadamente 120 milhões de anos atrás na Ásia. Tinham uma envergadura de 3 metros e pesavam em torno de 10 Kg. Seus maxilares eram virados pra cima, o que provavelmente servia para abrir mariscos. Não tinham dentes na parte frontal do bico, mas a parte traseira era repleta de dentes grandes e fortes que deviam ajudar na mastigação das conchas. Acredita-se que viviam em colônias e se alimentavam de peixes, frutos do mar, caranguejos, insetos e animais terrestres mortos.

Edmontossauros (Dakotas)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo na América do Norte. Eram herbívoros que podiam pesar até 3.175 Kg e medir 12,8 metros de comprimento. Não eram encouraçados, então não tinham proteção contra o ataque de outros dinossauros. Tinham bicos do formato de patos e  mil dentes, mas eles eram pequenos e apropriados somente para mastigar plantas. Foram uns dos últimos dinossauros da terra e costumavam viver em manadas com aproximadamente 10.000 indivíduos. O mais impressionante dessa espécie é que não foram encontrados somente ossos, mas também pedaços de pele, tendões e ligamentos.  Seu nome é uma homenagem ao local aonde os fósseis foram encontrados no Canadá.

Elasmossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo há 80 milhões de anos atrás na América do Norte. Podem ser considerados como os terríveis monstros das águas. Com seu enorme pescoço de 8 metros de comprimento, pareciam serpentes gigantes. Pesavam o equivalente a um elefante e sua cabeça era muito pequena com cerca de 60 cm. Os cientistas ainda discutem se eles eram de fatos dinossauros ou répteis aquáticos.

Espinossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo entre 112 e 97 milhões de anos atrás no norte da África. Acredita-se que eram maiores do que os giganotossauros e tiranossauros rex, chegando a medir até 17 metros de comprimento e 6 de altura e pesando cerca de 8 toneladas. As corcovas de suas costas podiam alcançar até 1,80 metros de altura e serviam para atrair fêmeas, intimidar adversários e captar o calor. Seus braços fortes auxiliavam a caça e seus dentes retos indicavam que se alimentavam de peixes.

Estegossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Formavam um grupo de dinossauros gigantes de cabeça minúscula que viveram no período jurássico, há cerca de 200 milhões de anos atrás. Eles tinham grandes placas ósseas ao longo de sua coluna vertebral que poderiam servir como uma armadura contra os predadores, como reguladores de temperatura, esquentando ou esfriando o corpo de acordo com sua posição ao sol ou ao vento, ou mesmo para amedrontar predadores. A verdade é que ninguém ainda descobriu para que suas placas, de fato, serviam. Eles eram herbívoros, pesavam cerca de 6 toneladas, e mediam 12 metros de comprimento e 4 de altura.

Estiracossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 66 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram herbívoros da altura de um rinoceronte com cerca de 5,2 metros de comprimento e 2.700 Kg. Seu focinho lembrava o bico de um papagaio e era protegido por um poderoso chifre. Sua cabeça pesada também era equipada com uma série de chifres longos sobre sua crista em forma de escudo, mas acredita-se que esses chifres serviam somente para amedrontar predadores já que não tinham uma boa posição para atacar outros animais.

Estrutiomimos
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há 100 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram animais com cerca de 3,5 metros de comprimento, 2 metros de altura e 150 Kg. Apesar dessas características, eram extremamente rápidos e tudo leva a crer que realmente foram os dinossauros mais velozes do mundo. Alimentavam-se de plantas, insetos, frutas e ovos. Seu nome significa "imitação de avestruz" e foi escolhido graças a sua semelhança física e atlética para com essa ave.


Giganotossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo entre 90 e 67 milhões de anos atrás na América do Sul. Foram os maiores dinossauros carnívoros, seu tamanho ultrapassava até mesmo a do temido Tiranossauro Rex. Eram bípedes e chegavam a medir aproximadamente 14 metros de comprimento e 7 de altura. Só o seu crânio podia medir mais de um metro e meio, mas seu cérebro tinha o tamanho e o formato de uma banana. Seus dentes tinham até 15 centímetros de comprimento, eram curvos e afiados, o que provavelmente significava que caçavam dinossauros vivos. Apesar disso, os cientistas acreditam que eles também comiam restos de animais mortos que encontravam. Nada saciava esses enormes dinossauros. Seu nome significa "lagarto gigante do sul".

Gigantoraptors
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no fim do período cretáceo há aproximadamente 70 milhões de anos atrás na Ásia. Eram carnívoros de aproximadamente 1400 kg. Foram os maiores dos dinossauros-pássaros chegando a 5 metros de altura, o mesmo tamanho de um Tiranossauro Rex. Seus hábitos de vida eram muito semelhantes aos das aves e, inclusive, acredita-se que tinham penas.

Gondwanatitans
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretácio há aproximadamente 80 milhões de anos atrás na Gondwana (grande continente formado pela América do Sul, África, Antártida, Austrália, península Arábica e Índia).Eram herbívoros com cerca de 10.000 Kg, 15 metros de comprimento e 2,5 metros de altura. Seu osso tíbio é reto o que indica que tinham um andar arrastado. Viviam em bandos que circulavam próximos de rios, lagos e pântanos em busca de água doce.

Hadrossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 70 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram herbívoros com cerca de 3.200 Kg, 4,6 metros de altura e 10 metros de comprimento. Viviam em bandos que mudavam todo o tempo de lugar para procurar comida. Um fato interessante é que se mantinham sobre as pernas traseiras, mas não por muito tempo, sendo assim eles eram semi-bípedes. Seu nome significa "lagarto bico de pato".

Hipsilofodontes
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 144 milhões de anos atrás na Inglaterra, em Portugal, na Antártida e nos Estados Unidos da América. Eram herbívoros com cerca de 1 metro de altura e 2 metros de comprimento que possuíam cerca de 30 dentes pontudos e irregulares que provavelmente raspavam-se uns nos outros causando uma auto-amolação. Eram animais rápidos e pequenos para a época em que viveram e por isso chegou a se pensar que vivessem em árvores para se proteger, mas os cientistas já comprovaram que isso  não é verídico e que viviam somente no solo. Acredita-se que se deslocavam em manadas. Um fato interessante é que possuíam pequenas mãos com 5 dedos, mas somente 4 deles tinham garras. Seu nome significa "dente pontudo".

Iguanodontes
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo entre 132 e 100 milhões de anos atrás na Europa, na Ásia, na América do Norte, na Oceania e no norte da África. Eram herbívoros com cerca de 10 metros de comprimento.Seus bicos afiados em formato semelhante ao das tartarugas facilitavam a retirada da vegetação que seria mastigada por mais de 100 dentes espalhados em várias fileiras na parte de trás de suas bocas. Seus braços fortes serviam para arrancar as folhas, já suas patas traseiras serviam para se erguer e alcançar uma altura considerável para espantar predadores. Seu nome significa "dentes de iguana".

Jobarias
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo há cerca de 135 milhões de anos atrás na África. Eram herbívoros com aproximadamente 21 metros de comprimentos e 18.200 kg. Acredita-se que conseguiam se empinar nas patas traseiras. Seu nome vem de uma antiga lenda da região da Nigéria aonde um fóssil foi encontrado 95% preservado.

Kentrossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no fim do período Jurássico na África. Eram herbívoros lentos com menos de 2 metros de altura e 3,5 metros de comprimento. Seus corpos eram encouraçados desde o pescoço até a ponta da cauda e tinham espigões grandes e pontudos. Acredita-se que tinham cérebros bem pequenos e que pesavam cerca de 2.000 Kg. Seu nome significa "lagarto pontiagudo".

Liliensternus
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período triássico há cerca de 210 milhões de anos atrás na Europa. Eram carnívoros de faro apurado com corpo bípede projetado para correr. Seus olhos grandes lhe ofereciam uma boa visão lateral durante a caça quando, provavelmente, se alimentavam de dinossauros herbívoros. Sua cauda mantinha seu equilíbrio. Mediam entre 5 e 7 metros de comprimento e pesavam cerca de 170 kg. Não se sabe muito sobre eles porque só foram encontrados 2 fósseis incompletos. Seu nome é uma homenagem a um cientista da Alemanha, local aonde os fósseis foram encontrados. 

Maiassauras
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo, há cerca de 66 milhões de anos atrás, pouco antes da extinção dos dinossauros. Acredita-se que todos os anos iam para a mesma região para botar seus ovos e cuidar de seus filhotes, por isso receberam o nome de Maiassauros que significa "lagarto boa mãe". Eram herbívoros, pesavam cerca de 4 toneladas e chegavam a ter 9 metros de comprimento. Provavelmente viviam em bandos. Moravam na América do Norte, região onde muitos esqueletos já foram encontrados, assim como seus ninhos, alguns com até 25 ovos cada. O cuidado com os filhotes era grande desde a construção dos ninhos comunitários que eram feitos a cada 9 metros de distância. Alguns cientistas acreditam que, quando se sentiam ameaçados, se refugiavam em lagos, pois não tinham outra maneira de se salvar a não ser fugindo.

Mamenchiossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Jurássico há aproximadamente 150 milhões de anos atrás na Ásia. Eram herbívoros com cerca de 30.000 Kg e 25 metros de comprimento, dos quais 11 eram de pescoço. Dessa maneira eles possuíram os maiores pescoços de dinossauros já encontrados. Acredita-se que ficavam parados em um lugar enquanto comiam tudo que seus pescoços alcançavam. Quando a comida acabava eles davam mais um passo para continuar se alimentando com a vegetação que alcançariam a partir de sua passada.

Megalossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Jurássico na Ásia, na Europa e na América do Sul. Eram carnívoros que mediam cerca de 9 metros de comprimento e 3 de altura, pesavam em torno de 1.000 Kg. Caçavam, mas também comiam animais mortos. Seus dentes eram grandes, afiados e curvos, além disso eram rentes a mandíbula o que aumentava sua resistência a pancadas violentas. Seus braços curtos contavam com patas de 3 garras afiadas muito úteis para retalhar a carne de suas vítimas. São divididos em três espécies distintas. Seu nome significa "lagarto grande".

Mussauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram na América do Sul em áreas desérticas. Eram herbívoros que nasciam com cerca de 20 centímetros de comprimento, mas podiam atingir até 3 metros na fase adulta quando contariam com aproximadamente 120 Kg. Botavam ovos minúsculos com cerca de 2,5 centímetros. Seu nome significa "lagarto rato" pelo fato de serem a menor espécie de dinossauros até então.

Oviraptors
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 80 milhões de anos atrás no Deserto de Gobi (Mongólia). Eram carnívoros de bico desdentado com cerca de 35 Kg, 2 metros de comprimento e 2 metros de altura. Acredita-se que fossem cuidados com seus ninhos. Seu nome significa "ladrão de ovos" porque o primeiro fóssil encontrado forneceu indícios de que se alimentassem dos ovos de outras espécies de dinossauros, ou seja, que fossem ovíparos.

Parassaurolofos
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Vivem no período Cretáceo há aproximadamente 70 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram herbívoros com cerca de 5.000 Kg, 12 metros de comprimento e 2,8 metros de altura. Suas cabeças possuíam cristas que começavam no nariz e mediam cerca de 1,8 metros de comprimento. Ao que tudo indica a crista dos machos era maior do que a das fêmeas e provavelmente serviam para reconhecimento e produção de sons durante o acasalamento ou situações de perigo.  Acredita-se que o barulho que emitiam se parecia com o de uma sirene.

Pisanossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Triássico há mais de 200 milhões de anos atrás na América do Sul. Eram herbívoros muito pequenos com cerca de 1 metro de comprimento, 30 centímetros de altura e aproximadamente 3 Kg. Os cientistas não sabem muito sobre eles porque foram encontrados apenas fragmentos de seus fósseis, mas acredita-se que tenham feito parte do grupo de dinossauros mais antigos. Seu nome é uma homenagem ao paleontólogo Juan A. Pisano.

Plateossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período triássico entre 235 e 200 milhões de anos atrás na Europa. Eram herbívoros e mediam cerca de 9 metros de comprimento e 4 de altura. Acredita-se que ficavam de pé nas patas traseiras para pegar alimentos no topo das árvores. Marcaram uma importante mudança no desenvolvimento dos dinossauros porque foram os primeiros a possuir um pescoço alongado. Seu nome significa "lagarto chato".

Protocerátopos
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no fim do período cretáceo por volta de 66 milhões de anos atrás na Ásia. Possuíam bicos afiados e uma crista óssea na parte de trás do pescoço para sustentar sua força maxilar e auxiliar na função de escudo. Seus narizes e olhos eram protegidos por ossos grossos e seu corpo tinha a aparência de um barril. Andavam sobre quatro patas e possivelmente se equilibravam nas traseiras. As fêmeas colocavam delicadamente seus ovos chatos, compridos e protuberantes em posição de círculo nos buracos de areia que preparavam. Acredita-se que viviam em manadas.

Psitacossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo na Ásia. Eram herbívoros com cerca de 2 metros de comprimento e 1,2 metros de altura quando ficava de pé. Estão entre os menores dinossauros já encontrados. Por apresentarem uma projeção óssea na parte de trás do pescoço são investigados por cientistas que acreditam que eles tenham dado origem ao grupo de dinossauros com chifres. Seu nome significa "lagarto papagaio" porque provavelmente se alimentava com sementes e frutas oleaginosas quebrando a casca com o bico, assim como fazem os papagaios hoje em dia.

Saichanias
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo há 80 milhões de anos atrás na Ásia. Eram herbívoros com cerca de 7 metros de comprimento e 4.000 kg que possuíam vias nasais úmidas para respirar com facilidade no clima quente em que viviam. Seus corpos eram praticamente cobertos de placas ósseas ocas e pontiagudas que lhes serviam como escudo. Suas caudas eram utilizadas como armas de defesa e tinham força para derrubar até mesmo um Tiranossauro Rex. Seu nome significa "o belo" por causa do bom estado dos fósseis encontrados.

Sinosauropteryxs
Chuang Zhao e Lida Xing/reconstituição
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há cerca de 125 milhões de anos atrás na Ásia. Eram pequenos como um cachorro dálmata. Foram os primeiros dinossauros a terem a existência de penas coloridas confirmadas. Cientistas afirmam que seus corpos eram cobertos por penas de cor branca e laranja, além de terem caudas listradas de branco. Seus pés eram muito semelhantes aos das galinhas, mas não possuíam asas. Seu nome significa "primeiro lagarto chinês emplumado".

Superssauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Jurássico na América do Norte. Eram herbívoros com cerca de 30 metros de comprimento e 12 metros de altura. Os fósseis dessa espécie estão fragmentados e ainda necessitam de maiores estudos, mas ao que tudo indica eles foram os campeões de comprimento e peso entre todas as espécies de dinossauros, assim fica fácil entender a escolha de seu nome.

Tapuiassauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 110 milhões de anos atrás na América do Sul (Brasil). Eram herbívoros com cerca de 13 metros de comprimento e 4 metros de altura. O fóssil encontrado no estado de Minas Gerais foi apelidado de Jesuíno. Seu nome se remete a "tapuia", tribo nativa do Brasil que vivia no interior do país.

Tiranossauros Rex
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Mesozóico entre 145,5 e 65 milhões de anos atrás na América do Norte. Em suas enormes mandíbulas existiam 50 dentes fortes e afiados com aproximadamente 20 centímetros, em uma única mordida conseguiam comer 230 quilos de carne.  Alcançava 5 metros de altura e seu comprimento era de cerca de 14 metros, só a cauda media entre 5 e 6 metros.  Chegavam a pesar 6 toneladas e, mesmo sendo tão pesados, chegavam a correr até 60 quilômetros por hora. São considerados os caçadores mais eficientes de todos os tempos, Suas pequenas mão dianteiras pouco lhes ajudavam na hora da caça, mesmo assim eram poucos os animais que conseguiam fugir de seus ataques. São os mais famosos dos dinossauros pelo fato de terem sido muito ferozes e carnívoros, cientistas acreditam que atacavam até mesmo os dinossauros de sua espécie e por isso seu nome significava "lagarto tirano rei". Apesar de seu hábito violento, viviam em grandes comunidades familiares.

Titanossauros
(Foto de uma réplica - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há 100 milhões de anos atrás na América do Sul. Eram herbívoros com cerca de 12 metros de comprimento, 6 metros de altura e 100.000 Kg. Eram verdadeiras fortalezas encouraçadas com placas ósseas que lembram escamas e a pele de lagartos, mesmo assim viajavam sempre em manadas para aumentar sua proteção contra predadores. Seu tamanho era destaque nas terras brasileiras.

Tricerátopos
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período cretáceo, há cerca de 66 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram herbívoros e provavelmente arrancavam os caules das plantas com seus bicos córneos para se alimentar. Apesar de só comerem vegetais, pesavam aproximadamente 6 toneladas. Chegavam a medir até 10 metros de comprimento e 3,5 de altura. Possuíam 3 chifres em sua cabeça grande e forte que serviam para sua defesa e também para a escolha do líder do grupo. Seus maiores predadores eram os tiranossauros rex de quem se defendiam formando grandes bandos. Foram uns dos herbívoros mais temidos de sua época, mas só reagiam violentamente se fossem atacados. Seu nome significa "cabeça com três chifres".

Troodonte
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram durante o período Cretáceo na América do Norte. Eram carnívoros com cerca de 2,4 metros de comprimento. Seus cérebros eram muito grandes em relação a seus corpos. Cientistas já realizaram alguns estudos cerebrais que indicaram que os troodontes foram os dinossauros mais inteligentes do mundo. Eram ágeis e seus olhos graúdos ocupavam boa parte do crânio e eram equipados com visão estéreo. Seus 70 dentes inferiores possuíam formatos diferentes conforme sua posição na mandíbula. Seus pés contavam com uma garra apta para rasgar as peles de suas vítimas.

Tuojiangossauros
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Jurássico na Ásia (China). Eram herbívoros com cerca 1.100 Kg e 7 metros de comprimento com boa parte do corpo coberta por esporões ósseos e placas. Contava com esporões em formato de espinhos sobre os ombros e na ponta da cauda. Diversas vezes foram considerados "sósias de dragões". Há relatos de que moradores de um pequeno vilarejo chinês recolhiam fósseis desses animais para vendê-los como medicamento a um preço muito alto.

Utahraptors
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo há aproximadamente 144 milhões de anos atrás na América do Norte. Eram carnívoros com cerca de 500 Kg, 7 metros de comprimento e 3 metros de altura. Fazem parte dos maiores raptores já encontrados e se destacam pelos grandes olhos e também por suas garras traseiras que mediam entre 20 e 25 centímetros, sem dúvida eram caçadores poderosos. Seu nume é uma referência ao local aonde seus fósseis foram encontrados, Utah (Estados Unidos da América).

Velociraptors (Raptors)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo, há cerca de 80 milhões de anos atrás na Ásia. Foram responsáveis por quebrar a impressão dos cientistas de que os dinossauros eram animais lentos e desengonçados. Eram carnívoros com cerca de 50 kg e alcançavam 76 centímetros, a altura de um peru. Apesar da baixa estatura eram excelentes caçadores com pernas de corredor, cauda apta para alterar rapidamente a direção, garras curvas para perfurar as veias de um pescoço e dentes afiados voltados para o centro da boca prontos para triturar muita carne. Sua velocidade era espantosa e ideal para caçar grandes animais desde que trabalhassem em grupos de 5 a 20 indivíduos. Seus ovos eram longos, finos, com extremidades pontudas e casca estriada, seu tamanho era o dobro de um ovo de galinha. Os filmes costumam mostrar as garras dos velociraptors agindo como facas que rasgam e estripam outros animais rapidamente, entretanto a ciência já comprovou que elas não tinham esse poder, com certeza serviam somente para agarrar e cortar superficialmente a carne de suas presas. O fato é que suas garras eram realmente poderosas e que, provavelmente, serviam até mesmo para escalar árvores.

Witonotitans wattsi (Clansy)
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo na Oceania. Eram animais herbívoros, altos e magros que podem ter sido os ancestrais australianos das girafas. Seu nome científico é uma relação aos titãs gregos, já seu nome popular é uma homenagem a um poema de Banjo Patterson.


Zuniceratops christopheri
(Ilustração - Fonte desconhecida)
Viveram no período Cretáceo na América do Norte. Eram herbívoros com 4 metros de comprimento e cerca de 2.000 Kg. Viviam em grandes bandos pastando em bosques e florestas. Cada grupo era dominado por um macho e, em caso de perigo, se juntavam formando um paredão de chifres para se defenderem. São os dinossauros de chifres mais antigos que já foram encontrados. Seu nome é uma homenagem ao menino Christopher de 8 anos que encontrou o primeiro fóssil dessa espécie.

Um comentário:

carlos eduardo da silva disse...

Adorei o assunto, como sempre muito bem feito.
te adoro dona jana